Energia fotovoltaica: 6 curiosidades sobre o sistema de compensação

Energia fotovoltaica: 6 curiosidades sobre o sistema de compensação

Que a sustentabilidade é um assunto extremamente importante ninguém dúvida, não é mesmo? Porém, muitas pessoas não sabem como contribuir ou acreditam que a sua contribuição não será suficiente para ajudar o meio ambiente. Mas não é bem assim. Existem diversas maneiras pelas quais podemos ajudar na preservação da natureza, como utilizar energia fotovoltaica, que é a energia elétrica gerada a partir da luz solar.

Esse tipo de produção de energia é um investimento que possui retornos garantidos. Para enfatizar ainda mais a importância da energia fotovoltaica, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) criou o Sistema de Compensação de Energia Elétrica, aperfeiçoando a Resolução Normativa nº 482/2012.

Crédito de energia

Esse é um modelo com o qual é possível estocar energia. Nesse método, a energia elétrica gerada que não for consumida totalmente poderá ser convertida em créditos. Esse extra é compensado na conta de luz, diminuindo seu valor. Vale ressaltar que, segundo as novas regras, o prazo para uso dos créditos é de 60 meses.

Geração distribuída

Uma outra novidade do sistema de compensação proposta pela ANEEL está relacionada à instalação de um geração distribuída em áreas comuns, como condomínios ou empreendimentos que possuem diversas unidades consumidoras. Assim, várias pessoas interessadas na produção de energia fotovoltaica podem se unir e fazer uso dela, instalando uma mini ou microgeração distribuída, que será utilizada para reduzir a fatura de todos os cooperadores.

Condições para adesão a uma rede compartilhada

Antes das novas regras, somente os donos dos sistemas fotovoltaicos podiam compensar os créditos de energia, por meio do seu CPF ou CNPJ. Agora é possível fazer a transferência de percentuais de créditos a pessoas que possuem um vínculo com o dono do sistema, por meio da microgeração distribuída.

Para se conectar a uma região de geração da distribuidora, é preciso preencher um formulário padrão de solicitação. O prazo da empresa para conectar usinas de até 75 kW é de 34 dias — antes das novas normas, era de 82 dias. Vale ressaltar que, em condomínios, a distribuição da energia é definida pelos próprios consumidores, sendo que as cotas de crédito são abatidas de forma independente.

Burocracia reduzida

Essa é uma das principais mudanças da nova resolução nº 482/2012. As exigências foram reduzidas: antes das alterações, o processo de registro no sistema solar realizado pelas companhias tinha uma prazo de três meses ou mais. Com as novas regras, esse tempo caiu para cerca de um mês. Além disso, agora o procedimento tem apenas uma etapa, eliminando a necessidade de troca de documentos e aumentando a agilidade do processo para uso dos créditos de energia.

Contratos de geração

Além disso, não é preciso que unidades consumidoras de mini ou microgeração assinem contratos de uso e conexão com as empresas geradoras de energia. A assinatura desses documentos se aplica somente a unidades maiores.

Autoconsumo remoto

Essa é uma nova modalidade do sistema de compensação. O autoconsumo remoto permite que locais onde não há espaço suficiente para instalação de unidades geradoras — ou onde a incidência solar é pequena — possam produzir energia. Nesse método, o interessado constrói, em sua propriedade, um sistema fotovoltaico e o utiliza para abater os créditos em outro local, como o seu escritório, por exemplo. Assim, é possível utilizar os créditos em locais que não produzem energia fotovoltaica.

Percebeu como as mudanças na norma nº 482/2012 ajudaram no melhor uso da energia fotovoltaica? Agora é possível compartilhar a energia gerada em um sistema, além do maior prazo para uso dos créditos. Essas inovações permitem redução no consumo de eletricidade, sem deixar de considerar a sustentabilidade, melhorando a qualidade de vida de todo mundo.

SolarVolt Energia
SolarVolt Energia

Empresa especializada em Energia Solar


6 Respostas a “Energia fotovoltaica: 6 curiosidades sobre o sistema de compensação”

  1. odimar silva disse:

    posso colocar energia solar no meu comercio que e cnpj e o que sobrar abater na minha casa que e no meu cpf? consecionaria enel em goias.

    1. Raul Goulart disse:

      Oi Odimar, neste conteúdo, Conta de energia e sistema fotovoltaico: entenda, explicamos como funciona os créditos de energia solar. Citamos a Cemig nos exemplos, mas o sistema de compensação é igual para todas as concessionarias.

  2. Maico disse:

    Boa tarde, eu posso fazer uso de créditos entre usinas..por exemplo; instalo em meu mercado uma usina e outro em minha residência…posso mandar os créditos gerados em minha residência para o mercado? Obrigado.

    1. Olá, Maico! É possível sim, desde que as contas de energia estejam cadastradas no mesmo CPF ou CNPJ. Assim você poderá aproveitar uma usina fotovoltaica (instalada no seu mercado, por exemplo) para gerar economia em mais de uma conta de energia (as contas da residência e do mercado). Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com a gente!

  3. Edney camargo disse:

    É possível gerar energia em uma cidade (São Gabriel doeste-ms) e compensar em outra (campo grande-ms), ambas da mesma concessionária e estado?

    1. Olá Edney! Sim, é possível, já que ambas as cidades pertencem ao mesmo estado e concessionária. Vale lembrar que as duas unidades consumidoras devem ser da mesma titularidade, ou seja, mesmo CPF ou CNPJ. Abraço!

Deixe um comentário

SAIBA MAIS SOBRE
ENERGIA SOLAR

Receba nossos e-mails com conteúdo sobre energia solar.