Tarifa Branca entrou em vigor. Vale a pena aderir?

Tarifa Branca entrou em vigor. Vale a pena aderir?

A partir de 1º de janeiro de 2018, todas as distribuidoras do país deverão atender aos pedidos de adesão à tarifa branca das novas ligações e dos consumidores em baixa tensão (residências e pequenos comércios, por exemplo) com média mensal superior a 500 kWh. Entenda como funciona a modalidade e avalie se é lucrativo para você!

Nesse artigo vamos falar TUDO sobre a nova modalidade de tarifação que entrou em vigor. Você irá entender o que é a Tarifa Branca, quem pode aderir a esta modalidade e quais as vantagens e desvantagens para o consumidor – principalmente os pequenos empresários!

O que é Tarifa Branca?

A Tarifa Branca é uma opção tarifária regulamentada pela ANEEL na qual o valor da energia varia de acordo com o dia e horário de consumo.

Atualmente ela é oferecida à qualquer unidade consumidora atendida em Baixa Tensão  (127, 220, 380 ou 440 Volts), classificadas pelas distribuidoras de energia como Grupo B.

Importante: A Tarifa Branca não está disponível para unidades consumidoras da subclasse baixa renda da classe residencial, do tipo iluminação pública e para as unidades consumidoras que façam uso do sistema de pré-pagamento.

Com a Tarifa Branca o consumidor tem a possibilidade de pagar valores diferentes de acordo com o horário e dia da semana. Na prática isso quer dizer: unidades que consomem energia fora dos horários de ponta (períodos em que há maior demanda de energia) pagarão valores reduzidos. Da mesma forma, se o consumo acontecer em horários de ponta, a despesa total poderá ser maior.

Por que a Tarifa Branca foi criada?

Horários em que o consumo de energia dos usuários são maiores geram maiores custos para as distribuidoras ao aumentar a capacidade das redes elétricas. Por sua vez, isso eleva os custos do fornecimento em relação a outros horários, em que o consumo de energia é menor.

Levando em consideração as estimativas destes custos no fornecimento de energia, a Aneel criou a Tarifa Branca para determinar preços distintos baseados em horários de consumo.

Quando ela entra em vigor?

À partir de 1º de janeiro de 2018 o consumidor já pode solicitar a adesão à Tarifa Branca. Essa é a data regulamentada na Resolução Normativa nº 733/2016 da Aneel.

Apesar de já estar em vigor, somente consumidores de Baixa Tensão poderão aderir. Contudo, um cronograma específico que prioriza a ordem das solicitações conforme o consumo médio anual já foi divulgado. Entenda melhor:

  • A partir de 1º de janeiro de 2018, a adesão somente poderá ser feita para novas ligações e para unidades consumidoras já existentes com média anual de consumo mensal superior a 500 kWh (quilowatts-hora);
  • A partir de 1º de janeiro de 2019, poderão também solicitar a Tarifa Branca, unidades consumidoras com média anual de consumo mensal superior a 250 kWh (quilowatts-hora);
  • A partir de 1º de janeiro de 2020, estará disponível para todas as unidades consumidoras.

Como funcionam os valores da Tarifa Branca?

Em dias úteis o valor da Tarifa Branca varia em três faixas de horário:

  • Horário de ponta (das 18h às 21h): Energia bem mais cara
  • Horário intermediário (das 17h às 18h): Energia mais cara
  • Horário fora de ponta (das 22h às 17h): Energia mais barata

Gráfico em barras sobre a variação de custos de acordo com o horário de consumo.

Fonte: ABRADEE

Observações:

  1. Nos feriados nacionais e finais de semana o valor para todas as horas do dia é considerado fora de ponta.
  2. Os horários de ponta, intermediário e fora de ponta são homologados pela Aneel nas revisões tarifárias periódicas de cada distribuidora, que ocorrem em média a cada 4 anos.

A Tarifa Branca traz benefício para o usuário com menor consumo nos horários de Ponta e Intermediário. Nos finais de semana, feriados nacionais e em horários estipulados para dias úteis, a tarifa será mais barata que a convencional.

Gráfico de barras comparativo entre tarifa branca e tarifa convencional

Fonte: Aneel

Atenção: Os horários de ponta e fora de ponta variam no Brasil de acordo com a Distribuidora. Confira os horários de ponta de cada distribuidora através do próprio site da Aneel, clicando aqui.

Em Minas Gerais:

Para consumidores sob área de concessão da CEMIG é possível conferir os valores exatos das tarifas através do site oficial da distribuidora.

Como saber se vale a pena?

A adesão à Tarifa Branca é uma escolha do consumidor. Antes de aderir é interessante analisar o perfil de consumo e a relação entre Tarifa Branca e Tarifa Convencional.

A Tarifa Branca só é vantajosa para usuários que tem o maior consumo de energia elétrica nos períodos fora de ponta (das 22 às 17h). Do contrário, optar pela Tarifa Branca pode resultar em um aumento na conta de luz.

Ao optar por este modelo tarifário é fundamental que o consumidor tenha consciência dessa relação entre o custo e horário. Caso não seja possível deslocar o consumo para o período fora de ponta, é mais vantajoso permanecer na Tarifa Convencional.

Como aderir à Tarifa Branca?

Através de iniciativa do consumidor, a adesão pode ser feita junto à concessionária de energia que atende sua cidade. Após análise do pedido, a concessionária terá 30 dias para fazer a troca do medidor de energia (no caso de unidades consumidoras já existentes). No caso de solicitações de fornecimento para novas unidades já na Tarifa Branca, os prazos e procedimentos se mantém os mesmos.

Antes de optar pela Tarifa Branca, é preciso que o consumidor faça uma análise sobre o seu perfil de consumo e os hábitos de utilização da energia elétrica ao longo do dia, comparando-os com os períodos de ponta e intermediário definidos para a Distribuidora que o atende.

Quais são os custos de adesão?

Inicialmente o consumidor não terá nenhum gasto. A distribuidora é responsável por todos os gastos relacionados a instalação e equipamentos de medição para o faturamento na Tarifa Branca. Porém, custos decorrentes de eventuais alterações no padrão de entrada da unidade consumidora são de responsabilidade do consumidor.

Posso desistir da Tarifa Branca após a troca?

A resposta é sim! A qualquer momento o consumidor pode solicitar o retorno para o modelo de Tarifa Convencional. A distribuidora por sua vez, terá novamente até 30 dias para atender ao pedido.

Atenção: O consumidor só poderá solicitar uma nova adesão à Tarifa Branca após 180 dias do retorno à Tarifa Convencional.

Quem não pode optar pela Tarifa Branca?

Unidades consumidoras da subclasse baixa renda da classe residencial, da classe iluminação pública e aquelas com faturamento pela modalidade pré-paga não possuem a opção de alterar sua modalidade para Tarifa Branca.

A Tarifa Branca tem alguma relação com as Bandeiras Tarifárias?

Não! A Tarifa Branca é uma nova tarifa que possibilita ao consumidor optar por um modelo onde o custo da energia varia de acordo com o horário de consumo.

As bandeiras tarifárias (verde, amarela, vermelha e vermelha patamar 2) são indicadores que variam mês a mês, de acordo com as condições de geração no País. Ou seja, elas informam se haverá ou não acréscimos no valor da energia a ser repassado para o consumidor final.

Considerações finais:

Sugerimos migrar para a Tarifa Branca apenas após um estudo muito detalhado do perfil e dos hábitos de consumo, para assim ter certeza que a alteração será de fato vantajosa.

Agora que você sabe tudo sobre a Tarifa Branca, diga pra gente nos comentários, a Tarifa Branca compensa para você?

SolarVolt Energia
SolarVolt Energia

Empresa especializada em Energia Solar


2 Respostas a “Tarifa Branca entrou em vigor. Vale a pena aderir?”

  1. erick rodrigues disse:

    minha grande duvida é em relação a tarifa branca, a respeito de se é vantajoso em caso de pessoas que tem a sua própria geração de energia no caso a energia solar?

    1. SolarVolt Energia disse:

      Olá Erick!

      Para analisar se é vantajoso aderir a tarifa branca basta analisar seu próprio consumo. Em quais horários você consome mais energia?

      Se você já possui energia solar instalada, é possível que nem tenha que se preocupar com esse questionamento. Produzindo a própria energia, você deverá abastecer todo seu consumo, o que reduz sua conta de luz exclusivamente ao valor da taxa mínima. Dessa forma, tanto faz se a tarifa está mais cara ou barata, afinal você não paga nada pela energia que consome!

      Essa é a maior vantagem do uso de energia solar: você fica totalmente livre de aumentos e reajustes tarifários.

      Esperamos ter sanado sua dúvida! Obrigado por participar da nossa conversa.

Deixe um comentário

SAIBA MAIS SOBRE
ENERGIA SOLAR

Receba nossos e-mails com conteúdo sobre energia solar.